METODOLOGIA ATIVA: SAIBA O QUE É E COMO FUNCIONA

A PÓS-GRADUAÇÃO É SUFICIENTE PARA MUDAR DE ÁREA DE ATUAÇÃO?
6 de fevereiro de 2019
Quem fez EJA ou supletivo pode fazer faculdade?
20 de fevereiro de 2019

Já pensou em aprender ensinando ou fazendo parte do assunto sobre o qual você está estudando? Essa é a proposta da metodologia ativa, uma alternativa de ensino que vem sendo aplicada nas universidades do nosso país, em busca de tornar o aprendizado de seus alunos mais efetivo.

A influência da tecnologia e do ensino a distância na educação dos brasileiros, tem estimulado as instituições educacionais a utilizarem novas metodologias em suas aulas, que saem do modelo tradicional de ensino e colocam aluno e professor, lado a lado, em uma parceria para o desenvolvimento e assimilação eficaz do conteúdo.

Seja dentro da sala de aula ou online, com a metodologia ativa os alunos interagem sobre o assunto entre si, trocando conhecimentos e experiências, com a intervenção pontual dos professores — que são facilitadores das discussões e aprendizados sobre o tema.

O que a metodologia ativa propõe para o ensino?

Há anos tem sido muito discutida a necessidade de atualizar e aperfeiçoar os métodos de ensino nas escolas e faculdades. E, desde a entrada da modalidade de ensino a distância nas universidades — há aproximadamente duas décadas, vários estudos comprovaram que o modelo padrão de ensino deveria ser melhorado.

Os professores e especialistas Genoveva Sastre e Ulisses Ferreira, no livro “Aprendizagem Baseada em Problemas”,  divulgam uma estimativa que alerta para isso: somente 10% de um conteúdo lido é assimilado pelo aluno, aumentando para 20% a capacidade de reter o conhecimento, quando o estudante escuta sobre o assunto.

Já um conteúdo vivenciado, em uma simulação, pode levar o aluno a reter até 90% do que foi ensinado. Uma vez que o estudante se apropria do conteúdo para falar sobre ele, o que o torna autoridade no assunto a partir da reflexão e vivência até o seu compartilhamento.

Também denominada “Aprendizagem baseada em projetos”, a metodologia ativa foi primordialmente sugerida pelo filósofo e pedagogo americano, John Dewey e chegou no Brasil em 1930, por meio das obras de Fernando Azevedo e Anísio Teixeira, pedagogos brasileiros que se mobilizaram em prol da abertura do modelo Escola Nova de Dewey.

O ensino é baseado na execução de um projeto, que segue a lógica: inicialmente, ele implica na previsão de consequências das ações, supõe a visão de um fim (uma finalidade), a previsão implica no uso da inteligência, o uso da inteligência implica na observação objetiva de condições e circunstâncias.

Ao identificar essa lógica comportamental do aluno, décadas atrás, o modelo de aprendizagem baseada em projetos é, ainda hoje, considerado atual para os pesquisadores em educação.

A metodologia ativa enfatiza a importância da experiência para o aprendizado, de modo que a vivência traga a eficiência do que chamamos de aprender na prática.

Como a metodologia ativa é aplicada?

Graças aos avanços tecnológicos e de comunicação, cada vez mais integrados em todas as áreas da sociedade, a educação também vem passando por transformações importantes. O ensino a distância abriu as portas para novas metodologias e modalidades.

Lado a lado com a metodologia ativa, caminha o modelo híbrido de graduação em cursos de universidades de ensino a distância como: Pedagogia, Educação Física e Gastronomia — que dá aos alunos controle sobre o conteúdo, o tempo e o local onde eles vão aprendê-lo e assimilá-lo.

Nesse modelo, o aluno tem autonomia sobre o aprendizado do conteúdo ministrado, podendo otimizar o tempo do curso, uma vez que as informações são disponibilizadas em diferentes meios de aquisição: ambiente virtual de aprendizagem (AVA), e-books, games e vídeoaulas — sempre com a supervisão de professores especialistas na área de conhecimento.

Dentre as vantagens da metodologia ativa na educação a distância, podemos destacar a flexibilidade de atividades e a interação do aluno no processo de aprendizagem. Em um desenvolvimento de um projeto, observa-se :

  • objetivo comum;
  • engajamento do aluno;
  • aumento consequente da presença social;
  • diminuição da distância transacional.

Em universidades de ensino presencial a metodologia ativa também é aplicada utilizando salas especiais e recursos que vão incentivar o uso das funções mentais do aluno de observação, raciocínio, pensamento, reflexão, entendimento etc.

O desenvolvimento social na metodologia ativa

Além do aprendizado mais eficaz, a metodologia ativa tem participação direta no desenvolvimento social dos alunos. Bom humor e alegria são ferramentas estimulantes para a aprendizagem e entendimento do conteúdo.

Da mesma forma, o espírito de trabalho em equipe é o combustível para a fixação das informações. Os alunos vivenciam o conteúdo e podem trabalhar a autoconfiança ao tomar decisões e desenvolver habilidades para cooperar com o grupo. Passam, inclusive, a se expressarem melhor tanto oralmente quanto na escrita.

Não há limites para uma aprendizagem ativa. A criatividade é chave para a preparação das aulas, como as que utilizam de encenações teatrais e musicais — cujo conteúdo é roteirizado e personalizado para o grupo de alunos. E ainda aquelas que utilizam Role-playing para a exposição do conteúdo em um jogo que requer o empenho dos participantes para suas interpretações de papéis e situações diversas.

Está claro que não é possível aplicar a metodologia ativa sem o uso das Tecnologias de Informação e Comunicação — TIC, cujo papel é proporcionar todo o contexto de aprendizado e facilitar as interações tanto presenciais quanto online. Esta inovação na educação ainda tem um caminho de avanços e descobertas pela frente.

Fato é que uma vez experimentado, o conteúdo pode ser melhor assimilado pelo aluno, o que já mostrou para os educadores que o ensino no século XXI está correlacionado ao comportamento social dos alunos em nossa sociedade.

O ensino a distância tem ajudado a acelerar o processo de mudanças do modelo tradicional de educação brasileiro e tem influenciado o padrão online, exigindo cada vez mais atenção para a capacitação dos professores.

Eles são “arquitetos cognitivos”, que precisam de habilidade e sensibilidade para a seleção dos melhores materiais e estratégias para ministrar o conteúdo e influenciar na nova maneira de aprendizado de seus alunos — que também passam pelo processo de mudança de comportamento.

ESCRITO POR EAD LAUREATE

Fonte: https://www.eadlaureate.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *